10
dez

Pesquisa mostra como drogas desestruturam família de dependentes

Publicado em Notícias

casal_1

Os dez anos de casamento da bancária Elisangela Farizel, 35 anos, com o autônomo Vinicius Farizel, 39, foram problemáticos desde o início. Alcoólatra por 24 anos, Vinicius enfrentou altos e baixos neste tempo devido ao seu vício, passou por duas internações entre 2012 e 2013 e agora, quer recuperar sua relação afetada pela dependência química.

O casal de Suzano (SP), ainda sem filhos, sabe que está doente. Ele, por assumir seu vício. Ela, após uma década de frustrações e renúncias, busca ajuda para melhorar seu psicológico no Al-Anon, grupo de ajuda a familiares e amigos de alcóolicos. “Tinha vezes que não deixava de sair, mas minha cabeça ficava em casa”, diz Elisangela. “Eu me trancava no quarto, porque se saísse de lá, sabia que ia fazer besteira”, complementa Vinicius.

Essa história se repete na casa de milhares de brasileiros, que sofrem por ter algum parente usuário de drogas, é o que mostra o Levantamento Nacional de Famílias dos Dependentes Químicos (Lenad Família), feito pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Segundo o estudo, o dependente químico afeta as atividades diárias e o psicológico dos familiares: 58% das famílias com algum usuário de drogas têm afetada a habilidade de trabalhar ou estudar, 29% das pessoas estão pessimistas quanto ao seu futuro imediato e 33% têm medo que seu parente beba ou se drogue até morrer, ou alegam já ter sofrido ameaças do familiar viciado.

A pesquisa apontou ainda que ao menos 28 milhões de pessoas no Brasil têm algum familiar dependente químico. Os dados foram levantados entre junho de 2012 e julho de 2013. Um questionário com 115 perguntas foi respondido por 3.142 famílias de 23 capitais brasileiras. Foi a primeira avaliação em âmbito nacional focada nas famílias de dependentes.

Complicações financeiras

Elisangela e Vinicius conseguiram se reerguer após o marido passar por tratamento que custou quase R$ 20 mil reais, parte da quantia bancada pelo convênio médico. O gasto é considerado alto por ambos. Usar o dinheiro do orçamento familiar para bancar a reabilitação de um parente dependente é a realidade de 58% das famílias entrevistadas.

 

Famílias perseverantes

Enquanto persiste a indefinição sobre qual o melhor método científico que leve à “cura” do vício das drogas, famílias que passaram ou ainda passam por este problema recomendam outra coisa: ter esperança e fé.

Foi o caso de Cleide Cauduro, de 56 anos, de São Paulo. Dos quatro filhos, três se envolveram com drogas há 12 anos – a filha mais velha e um casal de gêmeos. Atualmente, os três abandonaram o vício, todos se formaram na faculdade um deles se formou em psicologia com ênfase na dependência química.

“A gente acha que não vai acontecer com a gente, mas acontece. A gente se sente culpada e se pergunta ‘onde foi que errei?’. Tudo isso abala”, diz Cleide.

“É importante que o doente saia da negação, deixe a vergonha de lado e procure ajuda mais cedo. A família também precisa perceber que tem que se tratar e buscar informações a respeito da doença. Sim, porque é uma doença”, diz Elisângela, ao lado do marido, na expectativa de que não ocorram recaídas no futuro.

Open chat
1
Olá! Problemas com drogas ou álcool? Vamos lhe ajudar!