06
abr

Conheça a história do homem que, após 36 anos, superou a dependência química

Publicado em Artigos Reflexão

36 anos

Depois de 36 anos de dependência química e oito internações, apenas uma delas voluntária, A.R., de 53 anos, conseguiu se desvencilhar do hábito diário de consumir cocaína. Hoje, tem dois anos e cinco meses que ele está limpo, com a ajuda dos Narcóticos Anônimos (NA).

A.R., assim como outros usuários, começou pelo álcool aos 14 anos. Em seguida, experimentou a maconha, que só fumava nos fins de semana. O vício foi tornando-se mais intenso e, antes dos 20 anos de idade, já conhecia os efeitos da cocaína injetável, que, segundo ele, naquela época, era mais pura e causava mais mortes por overdose. “A gente usa droga porque é gostoso. Se não fosse, ninguém usava. Esta história de fugir de problema é conversa. Eu usei porque era bom, fazia me sentir o cara. Só que chega um ponto que o descontrole é tão grande que passa a ser nocivo.”

Em mais de três décadas, A.R. traficou, viu seu sonho de fazer curso superior se desmoronar e seu primeiro casamento ruir devido às drogas. “Minha esposa não aguentou. Fiquei apenas dois anos com ela e tivemos duas filhas. Hoje, uma tem 32 e a outra, 30 anos. E tenho um neto. Meus filhos viram tanta porcaria devido a meu vício, que nenhum deles entrou nessa”, orgulha-se, para logo lembrar que precisou abandonar a segunda companheira, com quem também teve dois filhos, para poder largar as drogas. “Ela também é usuária. Ficamos 27 anos, mas tive que deixá-la.”

A vida de A.R. começou a mudar depois que ele foi preso. “Meu clique aconteceu quando estava na Penitenciária Ariosvaldo Campos Pires, quando fiquei dois anos sem ver minha família, para cumprir pena por tráfico e receptação, de 2005 e 2008. Lá percebi que estava vestindo uma fantasia de bandido, vi muitas pessoas morrerem. Pensei: estou no lugar errado. Tinha que rugir como leão para sobreviver”.

A mudança

Como tinha instrução, A.R. passou a escrever cartas dentro do presídio para detentos que eram analfabetos. Nas histórias dos outros, ele se achou. “Com as cartas, fui tomando consciência de mim, da minha própria vida. Passei a incentivar os detentos a aprender. Foi assim que comecei a me encontrar e ver que poderia ajudar alguém, fazer diferença na vida de outras pessoas. Quando passei para o regime semiaberto, entrei no Narcóticos Anônimos”, relata.

“No início, achei que era tudo comédia. Ficava vendo aquele monte de gente olhando para mim, tive recaídas. Mas, com o passar do tempo, toda a filosofia foi sendo absorvida e me salvou. Hoje estou escrevendo um livro para contar essa história. Quero publicá-lo para servir de exemplo para outras pessoas”, almeja A.R.

Narcóticos Anônimos

“O NA me ensinou a abraçar uma outra pessoa. Antes, eu só conversava à distância. Agora, eu tenho respeito pelo outro e por mim, e isso foi fundamental para minha recuperação.”

Antes de terminar a entrevista, A.R. menciona a felicidade que sentiu horas antes, ao presenciar uma cena comum à rotina de muitas famílias, mas, por muito tempo, desconhecida da família dele. “Hoje, após o almoço, fiquei admirando meus pais, a quem tanto fiz sofrer, tirarem um cochilo tranquilo. É uma paz que me deixa transbordando de alegria.”

Fonte: Tribuna de Minas

Problemas com drogas ou álcool? Vamos te ajudar! Conte conosco. www.clinicaquintino.com.br

Open chat
1
Olá! Problemas com drogas ou álcool? Vamos lhe ajudar!