26
jan

Empresas não estão preparadas para lidar com o alcoolismo

Publicado em Alcoolismo Artigos

O Alcoolismo, considerado um desvio de comportamento e já enumerado pelos manuais da Medicina como uma doença grave, representa um problema sem solução para muitos gestores nas empresas.

A presença de um alcoólatra na organização demanda uma atenção muito especial desde o momento em que começam a surgir os indícios do problema. O tipo de abordagem, a disponibilidade para a intervenção na vida do funcionário e por último a demissão devem ocorrer com retoques de razoabilidade e racionalidade. Contudo, o que observamos na prática é o ato sumário de demissão, proporcionado por muitas empresas e na maioria das vezes por justa causa, o que agrava a situação do empregado.

Ao amparo da própria CLT que em seu artigo 482 caracteriza a embriaguez habitual como uma das hipóteses de justa causa, alguns gestores ao tomarem consciência do problema simplesmente entram em contato com o Departamento De Pessoal e exigem a demissão do empregado em uma atitude simples, rápida, porém desumana.

A embriaguez crônica não permite ao indivíduo a escolha, ele passa a beber inconscientemente, é uma doença, uma questão de saúde pública o que exige das empresas o mínimo de responsabilidade social.

À luz da razão, cabe ao funcionário alcoólatra, devidamente diagnosticado, a estabilidade, sendo que o gestor ao perceber a situação deverá manter sigilo absoluto e evitar que a imagem do profissional sofra qualquer mácula, logo toda a ação deverá ser tomada com cautela. A empresa torna-se responsável pelo incentivo ao tratamento em instituições especializadas e somente então depois de esgotadas todas as alternativas, ela poderá demitir o funcionário sem justa causa.

Os próprios Tribunais do Trabalho vêm, sem divergências, adotando o entendimento de que “o alcoolismo crônico, catalogado no Código Internacional de Doenças (CID) da Organização Mundial de Saúde OMS, sob o título de síndrome de dependência do álcool, é doença, e não desvio de conduta justificadora da rescisão do contrato de trabalho”, o que vem proporcionando a reintegração de inúmeros funcionários demitidos.

Para aqueles que ainda não conviveram com o problema, a saída mais simples e rápida da demissão, justificada por questões morais e valores comuns, talvez seja a melhor, contudo descartar um “excelente profissional doente”, representa na verdade a assinatura do seu atestado final e a perda do que seria sua última chance de recuperação.

Problemas com alcoolismo na sua empresa? Vamos te ajudar! Entre em contato: www.clinicaquintino.com.br.

Open chat
1
Olá! Problemas com drogas ou álcool? Vamos lhe ajudar!